Flacidez Tissular e Flacidez Muscular: como identificar e tratar corretamente?

Oferecer tratamentos que combatem a flacidez é quase que uma obrigação dos profissionais da área de medicina estética, afinal, essa é uma das maiores queixas dos pacientes nas clínicas.

Esse problema é inevitável e envolve o ciclo natural da vida, porém, buscar alternativas para amenizar os seus sinais tem levado inúmeras pessoas a recorrer a tratamentos estéticos. Mas, o que a maioria delas provavelmente não sabe é que existem dois tipos: a flacidez tissular (de pele) e a flacidez muscular.

Mas, para oferecer um tratamento adequado, que realmente garanta os melhores resultados, é muito importante que o profissional saiba identificar e diferenciar esses dois tipos de flacidez. É sobre a diferença entre eles e como identificá-los corretamente que falaremos logo abaixo!

O que é flacidez

Devido a um processo natural do organismo, a partir dos 30 anos há uma queda na produção de colágeno, proteína responsável por “sustentar” a pele e dar firmeza e elasticidade a ela. Com o passar do tempo, a degradação dessas fibras ocorre em um ritmo mais acelerado do que sua produção. Além disso, a qualidade dessas fibras se altera em comparação àquelas produzidas por organismos jovens e saudáveis.

Com isso, a renovação celular fica comprometida, assim como a tonificação da pele e dos músculos. Isso resulta em um aspecto de moleza e falta de sustentação. Essa condição, conhecida como flacidez, pode ser corporal ou facial.

Somados a isso, fatores genéticos e/ou relacionados ao estilo de vida também interferem para que a flacidez seja acelerada e fique mais evidente, como cor da pele, exposição solar, maus hábitos de alimentação, sedentarismo, tabagismo, dentre outros. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, dependendo desses fatores as funções fisiológicas normais da pele podem diminuir pela metade até a meia idade.

Como a pele fica mais visível, pode parecer que ela é a única vítima da flacidez, mas não! A falta de tônus muscular também afeta os músculos. Por isso existem dois tipos de flacidez: a tissular (de pele) e a muscular. É muito comum esses dois tipos aparecerem associados, o que piora ainda mais o aspecto.

Flacidez muscular

A flacidez muscular acontece devido à atrofia e desgaste das fibras de sustentação da musculatura subcutânea. Isso acontece devido à diminuição das proteínas que dão vigor a essas fibras, causada principalmente pelo sedentarismo e falta de atividade física.

Devido à flacidez, os músculos ficam sem os contornos definidos, com o aspecto “mole” e não tonificados, já que com a falta de estímulos vindos da atividade física, suas fibras se atrofiam.

Flacidez tissular

Mesmo com uma rotina de atividades físicas, a pele ainda pode ter um aspecto flácido. Provavelmente quem tem essa queixa sofre da flacidez tissular. Nesse caso, o problema está na pele e não no músculo.

A flacidez tissular é devido à soma de fatores intrínsecos e extrínsecos. A diminuição, desorganização e enfraquecimento das fibras de colágeno e elásticas são os primeiros fatores. Eles alteram a rede de elementos que sustentam a pele. Isso diminui a densidade da pele e reduz a firmeza entre as células.

Os fatores externos relacionados à flacidez tissular são: aumento de depósito de gordura local, tabagismo, exposição solar excessiva sem proteção, gravidez, maus hábitos alimentares, ação gravitacional, efeito sanfona (emagrecer e engordar abruptamente), pouca ingestão de água, falta de cuidados com a pele, dentre outros.

A flacidez tissular pode afetar o corpo todo, mas afeta mais comumente algumas áreas como o rosto, braços, pernas, glúteos e abdômen.

Como identificar?

Se muitas vezes a flacidez tissular e a muscular aparecem associadas, como identificar corretamente para oferecer o tratamento ideal ao paciente?

A resposta é simples: faça uma boa avaliação, através de uma análise minuciosa dos hábitos de vida daquele paciente. Na avaliação, será possível conhecer o histórico do paciente, sua rotina e seus hábitos de alimentação e de atividades físicas.

Um atendimento prévio ao tratamento feito de forma completa ajudará na identificação do tipo de flacidez que acomete aquele paciente, bem como proporcionará a oportunidade de montar um tratamento personalizado de acordo com cada caso, para melhor alcance dos resultados.

Por exemplo, se na avaliação o paciente disser que tem uma rotina diária de exercícios físicos, mas que mesmo assim apresenta flacidez em alguma área, muito provavelmente ela será tissular e não muscular.

Além do histórico do paciente, a inspeção visual também é muito importante para identificar se há flacidez tissular, muscular ou uma associação das duas.  O profissional poderá realizar testes que o ajudarão no diagnóstico, como o “teste de prega”, que consiste em dobrar uma quantidade de tecido e verificar o tempo gasto para que ele volte à posição inicial.  O profissional deve analisar a contração da musculatura e seus contornos para identificar corretamente a flacidez muscular, por exemplo.

Tratamentos

No caso da flacidez muscular, o tratamento mais indicado é criar o hábito de uma rotina de exercícios físicos, que irão estimular as fibras musculares e fazer com que elas fiquem mais densas e renovem a sua sustentação.

Já no caso da flacidez tissular, o ideal é combinar os bons hábitos à tratamentos estéticos que possam estimular a contração e a formação de novas fibras de colágeno, que irão melhorar o aspecto de flacidez da pele.

A radiofrequência é uma terapia que tem sido muito utilizada para esse fim, já que tem excelentes resultados tanto para flacidez corporal, quanto facial. Essa tecnologia age estimulando a neocolagênese e reorganizando as fibras já existentes, através de um aquecimento tecidual controlado. Vários outros efeitos fisiológicos são estimulados, com excelentes benefícios, principalmente, para a melhora do aspecto da flacidez tissular.

O Multishape é um equipamento que possui essa tecnologia. Quer conhecer mais sobre seus benefícios para a flacidez tissular? Deixe seu comentário abaixo para receber atendimento. 

17 comentários em “Flacidez Tissular e Flacidez Muscular: como identificar e tratar corretamente?”

    1. Rosimeire Carvalho

      Boa tarde Rafaela!
      Gostaria de saber sobre equipamentos,sou biomédica estética,estou iniciando na área estética,já faço alguns procedimentos residências,porém só tenho 1 equipamento de ultrassom,qual outro poderia usar para flacidez tissular que posso tá usando em minhas cliente e ter um bom resultado,abraço.

  1. Excelente a matéria e explanação. Faço musculação há mais de 40 anos e minha perna está cheia de ondulações . Me sinto péssima. Como e onde posso ser avaliada ? Cansada de gastar e nada ter resultado. Flacidez com tanta musculação.

    1. Boa tarde, tudo bem? Exatamente, mesmo com atividade física regular, pode acontecer a flacidez tissular. Nesse caso, é bom aliar atividade física com tratamentos estéticos para estímulo de colágeno na pele. Nós somos os fabricantes dos equipamentos utilizados pelas clínicas para esse tipo de tratamento. Me informe seu e-mail e cidade que iremos te enviar a relação de clínicas que poderão te atender.

  2. Faço atividade física há mais de 40 anos por 4 h dias. Minha perna, sempre com músculo, está cheia de ondulações. Horrível
    Perdendo a vontade de malhar.
    Como e onde posso ser avaliada. Moro no RJ.

    1. Boa tarde Elaine, tudo bem? Indicados para tratar flacidez, disponibilizamos o HIPRO (Ultrassom Microfocado); Unyque (Criofrequência e Refreeze) e MultiShape. Caso queira realizar o tratamento, nos informe a sua cidade que iremos verificar as clínicas que disponibilizam na sua região.

  3. Boa tarde, tudo bem? O meu caso também é igual das meninas acima, que malham há anos, mas essa flacidez “tissular’, ainda está aqui. onde posso realizar esses tratamentos, com esses aparelhos, eu moro em São Paulo. obrigada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar conversa.
Fale com uma consultora.
Fale com uma consultora.